A entrevista a Um Gajo Que Faz Cenas na Internet

Nunca tiveste curiosidade em saber mais sobre quem gere anonimamente algumas das tuas páginas preferidas no Facebook? Para conhecer O gajo que faz cenas na Internet.

Antes de mais, como é passar de “fogo, tens o nome do melhor pugilista de sempre” para “mas… tu és islâmico…?…”

Sabias que em tempos a lagosta era a comida dos prisioneiros como forma de castigo. Sinto-me como uma lagosta mas ao contrário. Passei de ter um nome associado a um grande lutador para gajos que vão presos ou suicidam-se depois de um ataque. Um aparte, prefiro ser conhecido como O gajo que faz cenas na Internet.

Por falar nisso *cruza a perna* consideras que a Internet ajuda a reduzir preconceitos, ou como vimos por aquela experiência de IA chamada TAY, só nos mostra claramente como ainda há muita gente com cocó em vez de massa cerebral (exemplo: Maria Vieira)?

A Internet revela preconceitos e por isso não ajuda a reduzir. Na Internet há uma espécie de sensação de liberdade e aprovação porque há sempre alguém para colocar like. Na Internet tudo pode acontecer até um linguado entre irmãos…por causa de 100 000 likes no youtube. Mas também é na Internet que tudo se ofende. Menos na minha página Eliseu a Fazer Cenas, que por vezes há coisas que noutras páginas seriam criticadas, mas lá vive-se uma espécie de último bastião da liberdade ou talvez as coisas são bem-feitas em termos de exagero, não sei.

E a Trollice ou Memice ™, ajuda em alguma coisa ou é só mais uma forma de desperdiçarmos completamente a beleza da existência em frente a um vidro?

Comecei uma nova página, As cenas de uma conversa de café que é uma evolução do meme. Ou seja, o “meme” é feito em diálogo ou monólogo do pensamento. E é uma forma de expressão adaptada à internet das pessoas que não são mulheres e instagramers. O meme purista é uma espécie de ghetto da internet onde freaks da cena reúnem mas a massificação do meme criou memes que desperdiçam o vidro do ecrã.

A tua “Eliseu a fazer Cenas” transformou-se num sucesso instantâneo, com o próprio Benfica a partilhar conteúdo teu. Criaste a página para ganhares os milhões de euros que ganhaste ou porque curtes do Eliseu?

O Eliseu sofria imensas críticas dos adeptos e a página serviu para endeusar a figura do Eliseu na cultura pop e gerar uma maior afinidade das pessoas perante o patinho feio. E o próprio Eliseu ajudou a tal com os festejos do Euro e da liga com a lambreta. Ao longo do tempo, os fãs da página e eu, fomos descobrindo que o gajo é uma verdadeira figura icónica que proporciona momentos que merecem ser registados. É incrível a quantidade de fotos em que ele aparece e simplesmente é algo com um enorme valor cómico. Naturalmente a malta começou a criar simpatia por ele e por isso hoje em dia, ya curto do Eliseu.

E sobre os roubos e os plágios na Internet, já t’aconteceu? Que pena deveria ser aplicada, na tua opinião, a quem rouba conteúdo aos outros.

Já, mas o mais caricato foi nos tempos de forum de internet onde escrevi algo do género “tentei suicidar-me com leite meio gordo de penalti” e uma mulher usou tal num post no seu blog no blogspot(old school). Cheguei a reclamar mas a resposta dela foi cordial e disse que adorou tanto que colocou numa espécie de homenagem.

E por falar em outros; sem mencionar nomes, que percentagem de administradores de páginas de Facebook apresenta claros sinais de vedetismo / insanidade / mania de ser mesmo uma coisa espectacular por ter mais 3 mil gostos que a maioria?

Já disse que As cenas de uma conversa de café é muito fixe? Ok. Acho insano comediantes que sentem ofendidos ou censuram as pessoas que comentaram a sua piada com outra piada(no sentido crítico). Responder uma piada com outra piada é muito mais construtivo do que dizer “és uma merda” tás a ver? Mas deixando de escárnio, o mundo das cenas está completamente numa realidade paralela das vedetas. É uma outra internet mais próxima das pessoas e podes ver isso no Eliseu a fazer Cenas, onde existe uma cumplicidade memiana com os fãs mais regularares.

O gajo que faz cenas na internet, o que diz o teu histórico do Browser?

Nada. Apaguei. Quando sais de casa tens de apagar o histórico porque podes morrer e fica difícil entenderem como com 27 anos viste o vídeo “Como dobrar a roupa”.

Preferias passar 3 meses fechado numa casa com câmaras com (escolhe no mínimo três):

Jorge Nuno e o Pinto da Costa
Maria Vieira e o Marido
Bruno de Carvalho e Sá-Pinto
e ainda
Agnes Arabela
Katia Aveiro
Maria Leal

Agnes Arabela porque percebe de incêndios e como vamos ficar fechados numa casa será um elemento valioso. E o Jorge Nuno e o Pinto da Costa para aprender como engatam mulheres mais novas como a Agnes.

Visita, laika e tudo As cenas de uma conversa de café e Eliseu a fazer cenas.

Share

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Share