Absolvido da morte da mulher por sufocamento com… a pila

O ‘mericano de 65 anos estava acusado de matar a namorada. Quis mostrar em tribunal que tudo não passou de um acidente porque tem ali uma anaconda… E o júri, concordou.

Vamos a mais uma caso daqueles? Vamos a isso. Richard Patterson, um homem de 65 anos que estava acusado de matar a namorada, Francisca Marquinez em 2015, deu que falar em todo o mundo depois de alegar em tribunal que a mulher, de 60 anos, tinha sufocado enquanto lhe fazia sexo oral.

Os advogados de defesa de Patterson realizaram uma moção ao juiz, em que pediam que o arguido pudesse mostrar o pénis ao júri, para que se pudesse provar que as grandes dimensões do órgão sexual do homem eram a causa da morte da companheira deste.

Felizmente o juiz negou o pedido e Patterson acabou por não exibir os genitais como prova. Depois de um médico defender que seria “muito pouco provável” que a mulher tivesse morrido enquanto fazia sexo oral, a defesa do norte-americano passou a sustentar que esta era a forma que o arguido achava que a companheira tinha morrido e que não havia forma de provar a causa da morte.

Com efeito, os médicos legistas que voltaram a examinar o corpo da idosa mas não conseguiram perceber o que a matou, uma vez que o corpo já estava em avançado estado de decomposição.

O júri que absolveu Richard Patterson deliberou durante cinco horas antes de anunciar a decisão. Caso tivesse sido dado como culpado, Patterson enfrentaria uma pena de prisão perpétua. O que seria, aliás, acredito, difícil de engolir. Que foi? Achas que tenho uma piada melhor do que toda esta história? Bom… podia-te sempre contar daquela vez que… ops, a Zangad aa chamar pá janta! Tenho d’ir. ‘Té logo!

Share

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Share