20 músicas para te zangares c’o mundo

Minha riqueza, bebi um cadito  ao almoço e o melhor que consegui fazer foi uma lista com 20 músicas para te zangares c’o mundo. Olha, até pode ser que descubras umas coisas giras. Tem de tudo. Anda óbire.

Já sabes, já sabes! Foi do que me lembrei com quase uma de maduro tinto no bucho. Portantes, é óbvio que falta aqui imensa gente talentosa e é por isso mesmo que eu tenho comentários lá em baixo no fundo da página. Isso ou escreve só nos comentários do facebook que realmente dá menos trabalho. BOM! Agora vou beber um café que daqui a um bocado tenho de ir buscar o Zangadinho à ‘bó e explicar à Zangada porque é que a loiça não está lavada.

Pop/Rock/Que Chega a Passar na Rádio

Depeche Mode – Where’s the Revolution

De quartos de motel a clínicas de reabitação, os Depeche Mode são, na minha opinião, das melhores bandas-sonoras que podes ter pá tua vidinha. Em tantos anos continuam frescos, talentosos e infelizmente com bilhetes muito caros para os concertos em Portugal 🙁 Bom, mas vamos ao que importa; olha a pergunta que nos fazem agora:

Muse – Psycho

O chaval que escreve estas letras é claramente um gajo porreiro e de quem gosto imenso sem nunca lhe ter dirigido a palavra. Rock and Roll feito de flawless victories como só estes três catraios sabem fazer. Talvez ainda nem saibam que são uma das bandas mais importantes para manter a “chama” viva.

Roger Waters – Smell the Roses

Por esta altura já nem vale a pena expressar mais o amor que tenho a este ser humaninho. É que é mesmo só ouvir:

David Gilmour – Rattle That Lock

Dava um estalo a mim mesmo se não referia este sobrenatural mago das seis cordas (trademark). Bom, Sir David rebenta com esta merda toda como se não fosse nada. É que se tens ouvidos, nem quero saber que género musical preferes ou não; isto é divino.

Furyan & Angerfist – HOAX

Pronto, isto não passa na nossa rádio mas garanto-te que na Holanda este género musical é gigante. Angerfist é uma espécie de Deus da coisa, e quando pega nas minhas séries preferidas e… olha, quero que a David Ghetta se lixe. Isto é tão mais:

Rock 

Rammstein – Amerika

Eu amo estes queridos. E no seu longo reportório de malhas, não lhes faltam coisas tão actuais como este tema. Reforço o pormenor “this is not a love song”, como a garantir que são percebidos. Amo. Simplesmente amo.

System of a Down – Sugar

Como estes bandidos nunca mais me lançam o novo disco – que só pode estar um autêntica bomba – eis o primeiro vídeoclip que vi deles e que, sinceramente, começou uma relação saudável. Já agora, até os deuses gostam destes miúdos. Ó:

Ah! E claro, a Suuuuuugar! (sim, os meus vizinhos sofrem imenso)

Marilyn Manson – Say10

Não quero saber. Gosto muito da obra deste gajo. Ainda mais desde que ganhou juízo e começou a colaborar com o genial Bates (banda-sonora do “300”, por exemplo) e que o está a trazer à boa-forma. Aliás, este vídeo foi lançado na noite das eleições, horas antes do mundo ficar pasmado com a vitória do mãos-pequenas. Se calhar o portador da luz anda-lhe mesmo a dar umas dicas. Isto nunca se sabe. *gargalhada maléfica*

Faith No More – Motherfucker

Alguma vez ligaste para um call-center? Pronto.

Métau

Megadeth – Conquer Or Die

Olh’amóre, se este instrumental não te inspira a ser mais e melhor na tua vida, minha riqueza, não sei que te faça. O Mustaine deixou este talentoso brasileiro brilhar e o resultado é de Beethoven para cima. ‘Tou-te a dizere.

Metallica: ManUNkind

Espera… os Metallica fizeram um videoclip sobre os Mayhem?! WFT! Este novo disco tem crescido e finalmente voltamos a ouvir umas bocas ao mundo e à sociedade em letras dos ‘Tallica. E devo-lhes o “And Justice For All” para todo o sempre por isso, olha, desde que esteja fresca, é tipo tremoços.

GOJIRA – The Cell

Já não sei quem foi a boa alma que me recomendou isto na página mas muito e muito obrigado. Os Gojira são uns catraios “novos” que levaram o underground à frente com estalos como este:

SHINING – Vilja & Dröm

Como provavelmente será apagado, nem vale a pena meter-te aqui este vídeo. Bom, isto é gente um bocadinho esquizofrénica que exagera na medicação sem prescrição mas que, no fundo, só nos querem a pensar no farrapo em que está a sociedade actual.

KING 810 – i aint goin back again

Mais um bom exemplo do que muitos não percebem no som eterno, como diria o António Freitas; no metal há “baladas” para te despedaçar a alma aos bocadinhos. Um excelente exemplo disto é esta grandessíssima malha:

Hip-Hop / Rap / Pessoas a falar em cima de Som

Valete – Rap Consciente

É assim minha riqueza; eu não entendo nadinha da cena tuga do hip hop coise represent. Agora, gosto de poesia e gosto e gajos com fogo no peito. Caso mores noutro planeta e ainda não tenhas ouvido, olha-me só para isto:

Valete – Poder

É. Tem direito a repetição. Muito respeito senhor Valete, muito respeito mesmo.

A Tribe Called Quest – We The People….

Bitches and woes and dólás? Não. Estes meninos são os originais. São os dos rádios gigantes. Das k7s sampladas e rimas nas escadas dos prédios. Só para profissionais.

Tech N9ne – Straight Out The Gate

E eis outro gajo que segue as pisadas dos seus antecessores e usa o seu absurdo talento a dizer sílabas à velocidade da luz. Ainda por cima com o meu Serj? Ó, perfeito.

Kendrick Lamar – DNA.

Gostava tanto que este gajo lançasse um disco com o Eminem. Tu não tens noção do quanto gostei disto. A segunda parte da música, na idade média, tipo um Vivaldi, dava-lhe direito a dizer que tinha pacto com o demo. Felizmente, diz ele, é o Yeshua’s new weapon. E num mundo cada vez mais ao contrário, bem que precisamos disso.

Share

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Share