Éby Metáu: 10 regressos de peso

Dos Metallica aos Opeth, dos Korn aos Neurosis, 2016 promete ser um bom ano para os – agora – avózinhos do Heavy Metal. Fui espreitar.

METALLICA

Vamos já tirar isto do caminho. Os ‘Tallica tem novo disco e é o costume. Os apreciadores adoram, os não-apreciadores dizem que uma música assim era feita no sound-check do And Justice For All.

Apesar de terem abraçado novamente o som mais antigo, a coisa não impressiona por aí além mas também não mete o nojo que já meteu noutras alturas. No fundo, um “meh”.

MEGADETH

Tinha que se seguir Megadeth, não é? A verdade é que depois do novo disco dos Slayer (muito mais ou menos) ou do promissor novo disco dos Testament, Mustaine e companhia lideram 2016 com uma lição de Thrash Metal. Quanto mais ouço este novo “Dystopia” melhor entra. O Kiko foi a melhor escolha possível para a segunda guitarra e as letras, para não variar, ó, daqui!

DEVIN TOWNSEND PROJECT

Se não sabes quem é, não sabes o que é boa música. O Heavy Devy é talvez um dos mais refrescantes músicos do Éby Metáu. Da perfeição absoluta que foram os Strapping Young Lad até à sua carreira à solo, este homem não pára de acertar. Confesso que este disco não me está a cair tão fundo como caírem obras-primas como “Addicted” mas ainda assim é das melhores coisinhas deste ano.

OPETH

Por falar em músicos demasiado talentosos para seres humanos, eis os Opeth. Conseguir manter a qualidade do absolutamente perfeito (e não estou a exagerar) “Pale Communion” era praticamente impossível mas este novo registo continua de elevadíssima qualidade. Obviamente podes esquecer o Death Metal progressivo de outros tempos. Agora estamos no Prog Retro Cenas e acabou-se. Eu cá gosto.

NEUROSIS

Melhor concerto da minha vida? Um dos melhores discos da minha vida? Neurosis. É certo que isto não é um “The Eye of Every Storm” (ou se quiseres, é, em termos de sonoridade) mas porra! São os Neurosis. É que nem é preciso dizer mais nada. #fanboy

IHSAHN

O que anda a fazer o vocalista e mente por detrás dos geniais Emperor? Uma carreira cheia de experimentalismo e música como nunca antes ouviste. Este Arktis é uma pérola para descobrir com uns fónes decentes.

COBALT

“Ai estes eu não conheço” Fazes muito mal. Então se aprecias Black Metaladas em condições Cobalt são OBRIGATÓRIOS. Mudaram, infelizmente, de vocalista mas este disco duplo continua a sonoridade dos anteriores e anda a rondar por aqui diariamente. Deixa-te de coisas e ouve.

ABBATH

Ai gostas do teu Black ainda mai negro? Descansa. O tio Abbath resolve. Não há Immortal mas há disto e tão bom que é. Conta com todos os clichés do género só que abundantemente bem executados.

GHOST

Fui finalmente apanhado por esta gente. Até aqui o que tinha ouvido não me impressionou por aí além mas esta Popestarzice toda (o EP chama-se Popestar) acabou por infectar aqui o Zangado. Retro-cenas como o pessoal nórdico tão bem sabe fazer. Do que percebi são mesmo muito populares hoje em dia e ainda bem.

KORN

Já sei, já sei. “Ai que é Nu-Metal, não gosto”. Eu também já fui e assim e descobri nestes catraios muita música boa. Os dois singles que saíram entretanto prometem um disco mesmo muito, muito sólido. Mesmo que estejamos a falar de uma banda que abandona os concertos a meio.

“Mas ó Zangado falta aí o coise e o cenas!” Tens toda a razão mas sabes como são estas listas. Fica sempre algo de bom de fora. Mas recomenda à vontade nos comentários em baixo que o Zangado está sempre pronto para música nova!

Share

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Share