Rita Ferro Rodrigues ataca-se a si mesma

Conhecida por escrever livros que em lógica competem com Kant, Rita Ferro Rodrigues veio de férias e atacou Teresa Guilherme, a TVI, a SIC e até a ela mesma.

A ex-colega do sempre coerente Nuno Graciano e ex-apresentadora de programas onde incentivava idosas a ligar para o 760, Rita publicou mais uma mesmo super-polémica “crónica” no site Maria Capazes.

Esta semana estive desligada do mundo, a aproveitar uma semana de férias na companhia de um grupo óptimo de amigas, todas feministas, entre elas, duas fundadoras desta plataforma. Fizemos o exercício obrigatório de enfiar as cabeças no mar, os rabos na areia, as bocas nos Gins Tónicos e os ouvidos nas gargalhadas e confissões umas das outras.

Não preciso de comentar isto, pois não?

Bom, para além de criticar a Taróloga da SIC, Rita falou sobre Love on Top, e como Teresa Guilherme fez algo semelhante à dita taróloga.

num realitty show de grande audiência, uma concorrente sofre de violência emocional e maus tratos perpetrados por um homem (?) perante todo um país. A mãe tenta tirá-la desta exposição degradante enquanto a apresentadora do programa desencoraja a mãe e, em directo, desvaloriza o quadro de evidente violência, classificando-o perante milhares de telespectadores como sendo uma “situação normal”.

Alguém tem de explicar à Rita Ferro Rodrigues que de “realitty” qualquer um destes programas não tem nada. Como é – ou deveria ser – do conhecimento comum, a produção deste tipo de coisas não só escolhe os concorrentes mais semelhantes a símios como faz o mais possível para condicionar e manipular o dia-a-dia dos ditos. A ideia é gerar conflitos. E li também nos comentários que

se a RFR visse o programa saberia que a chantagem emocional é feita pela concorrente feminina para “dar canal”, chegando ela a simular discussões atirando-se para a piscina apenas para ser falada. Ontem enquanto a mãe falava com a filha, ela em vez de chorar até se riu. Esta sabe mais que a Lucia!

“Ó ZANGADO, TÁ BEM, MAS ELA ATACOU-SE OU NÃO?!”

Arre! Calma. Estou a escrever uma crónica, ok?!

Bom; o que mais gostei na conclusão do raciocínio (?) da Rita Ferro Rodrigues foi o seu apelo a que os media “têm de procurar formação urgente para os seus profissionais e acompanhar os novos tempos. Já.”

Concordo em absoluto. Das barbaridades que foram ditas em programas como “Contacto” ou “Portugal em Festa” (acho que era assim) é mesmo importante livrar-nos de seres que usam causas nobres como o amor ou feminismo para lucrar uns trocos, não achas Rita? Bom, por outro lado a Ferro Rodrigues mais nova já está desempregada, por isso, talvez tal já esteja a acontecer.

Share

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Share