Metade do Orçamento para a cultura vai para a RTP

A outra metade, para aquela gorda que faz candeeiros de tampões. A RTP irá absorver 63,5% do orçamento global da Cultura para 2016, com 244 dos 418,8 milhões de euros atribuídos aqueles chupistas do Monte da Virgem.

Vamos respirar e pensar bem numa série de coisas:

Continuamos a sustentar pseudo-estrelas com ordenados milionários com um imposto… imposto à força a todos nós, mesmo que NUNCA usemos as teclas 1 e 2 do telecomando.

Para além disto, e tenho conhecimento suficiente na área, todos sabemos como funciona o apoio cultural em Portugal. Primeiro a nossa senhora RTP, depois o CCB só porque sim, e mais meia-dúzia de teatros a ver se calam a Bola e a Ruef. Os restos vão para fundações geridas pelo primo da tia.

Grupos de teatro (amador ou não), músicos, cineastas, bailarinos, poetas, ilustradores, pintores e claro, escritores que oferecem na totalidade a sua obra através da Internet só porque querem mesmo que a cultura vá para a frente.

Agora, o Mendes? Os concursos da treta com o Malato? O Gabriel e a Sónia? O Nuno Markl a fazer programas sobre os direitos dos animais ao meio-dia e tourada da casa do pessoal da RTP à noite?

Podes ler o relatório completo aqui. Spoiler Alert: não fica um cêntimo para cultura no verdadeiro sentido da palavra e é tudo pago – literalmente – por ti.

Esculpir uma Pietá em Mármore? Pintar um tecto durante três anos? Ai, vou mas é fazer crochet por cima de um star trooper que é praticamente a mesma coisa.
Esculpir uma Pietá em Mármore? Pintar um tecto durante três anos? Ai, vou mas é fazer crochet por cima de um star trooper que é praticamente a mesma coisa.
Share

13 thoughts on “Metade do Orçamento para a cultura vai para a RTP

  • Fevereiro 13, 2016 at 6:04 pm
    Permalink

    “a gorda que faz candeeiros de tampões” nunca recebeu um cêntimo do estado. E btw, ninguém tem direito a criticar o candeeiro de tampões até fazerem uma peça de arte que também valha milhões.
    Again… “a gorda que faz candeeiros de tampões”??? A sério???

    Reply
    • Fevereiro 13, 2016 at 10:43 pm
      Permalink

      Uma peça de arte que vale milhões? É caso para dizer, lol.

      Sim, o Gorda é despropositado. É mesmo só para a insultar pessoalmente pelos estágios que agora pratica. Já ouviste falar?
      Aliás, essa tua artista superior tem quem lhe faça as peças. Não é uma artesã, sequer, quanto mais uma artista. Claro que podemos passar aqui semanas a falar sobre arte e o valor da mesma mas não tenho tempo para isso.

      Sobre os apoios; a EDP é paga por quem?
      E estes 2,5 milhões para UMA exposição, foram como? Ora vê http://www.cmjornal.xl.pt/cultura/detalhe/mostra-em-paris-custa-25-milhoes.html

      Há verdadeiros artistas em Portugal completamente negligenciados (ou mantidos na sombra já que ela tapa o sol) porque esta besta que nunca fez uma obra que valha o seu peso, continua a existir e pior ainda, a ter atenção/exposições.

      Mas claro, cada um gosta do que quer. Já agora, mais uma prova como é uma querida de pessoa que merece toda a defesa possível: http://www.rtp.pt/noticias/mundo/casticais-gigantes-de-joana-vasconcelos-na-antiga-casa-senhorial-dos-rothschild_n820617

      Reply
      • Fevereiro 15, 2016 at 12:32 am
        Permalink

        Ou seja, não desmentiu que a referência à Vasconcelos é despropositada e maldosa.

        Reply
  • Fevereiro 15, 2016 at 3:05 pm
    Permalink

    Afinal sempre há quem goste do que esta tipa faz… inacreditável! Acho que a descrição da última foto diz tudo!! E realmente magra é que ela não é!!

    Reply
  • Fevereiro 18, 2016 at 4:43 am
    Permalink

    ah a rtpi que vemos aqui na adosul ; e a porta voz do ps ; dos fascistas do ps ; dizem sempre ” o historico do ps” qdo se referem ao melhor exemplo q portugal tem para o ICC em haia!

    Reply
  • Fevereiro 18, 2016 at 3:23 pm
    Permalink

    Há gostos para tudo. Isto é “arte”?

    Reply
  • Fevereiro 18, 2016 at 5:05 pm
    Permalink

    Ia partilhar isto sem qualquer comentário até ler a descrição da foto que ilustra o artigo (“Esculpir uma Pietá em Mármore? Pintar um tecto durante três anos? Ai, vou mas é fazer crochet por cima de um star trooper que é praticamente a mesma coisa.”). De facto, a cultura hoje em dia é menosprezada no nosso país, e o primeiro argumento a que recorro é a falta de cultura da pessoa que escreveu isto! Realmente o orçamento da Cultura não é bem distribuído. Se os dados aqui apresentados forem corretos então é absolutamente inegável que esta gente está toda maluca! A cultura portuguesa não está na televisão, ou pelo menos, só na televisão, muito menos 50% dela!!! O que está abominavelmente mal neste artigo é o comentário ao trabalho desta artista, que, diga-se de passagem, não tem culpa da má distribuição orçamental do estado. O que ela faz não é “Esculpir uma Pietá em Mármore” nem “Pintar um tecto durante três anos”, mas se ela fizesse isso também não era chamada de artista contemporânea, visto que isso são exemplos de arte renascentista, ou estou errada? Temos todos de compreender que a arte contemporânea é completamente distinta conceptualmente de qualquer outro tipo de arte até ao século XIX, mas ambos são arte! Há artistas contemporâneos mais e menos pretensiosos, é verdade, mas isso não dá o direito nenhum a ninguém de desconsiderar o trabalho de uma artista ao ponto de dizer que o que faz não é arte porque não demorou 3 anos a fazer, a menos que seja um crítico de arte ou curador! Meus queridos, estamos no século XXI, é uma vergonha ainda haver este tipo de julgamento! E não é só com o trabalho dela, é com um número enorme de outros artistas. Como disse, estamos no século XXI, a definição de arte é tão abrangente que quase que deixa de ter limites, no entanto à medida que isto acontece as nossas mentalidades tornam-se cada vez mais intransigentes, fechadas e tristes. Qualquer pessoa pode dizer “eu não gosto visualmente”, mas não pode dizer “eu não gosto porque é mau” sem se informar, sem procurar uma opinião factualmente informada, sem ter uma ponta de cultura que lho permita dizer. A arte hoje em dia não é para pessoas insensíveis e acima de tudo desinformadas! O mais interessante é que, acerca desta artista, os críticos de arte ou dizem bem, ou não dizem nada, mas nenhum se atreve a dizer que o trabalho dela não é digno de um “artista”. Então quem raio é alguém sem absolutamente nenhuma formação (sem nenhuma formação estou eu a adivinhar, mas também estou certa de que se a tivesse não dizia uma barbaridade destas) para o dizer e escrever este tipo de artigo?? Sempre ouvi dizer que para falar do que não se sabe, mais vale estar calado.

    Reply
    • Fevereiro 19, 2016 at 6:05 pm
      Permalink

      Bruna, e não é igualmente mau julgar uma pessoa por um só artigo? Se tenho – sim, muito básicos – conhecimentos sobre arte renascentista, porque não os teria também sobre arte contemporânea?

      Posso achar absurdo uma tipo vestida de star trooper coberta de crochêt ser considerado arte? Posso por favor?
      Posso achar que esta querida é o resultado de lavagem de dinheiro da EDP? Posso achar que o dinheiro que recebe em nada promove cultura portuguesa, como ela tão alto afirma?

      E já agora, pode começar a nomear esses tais artistas portugueses contemporâneos? Repito, é ultrajante comparar esta … vomitadora de ideias, com uma Paula Rego (que também acho fraquinha mas bem melhor) ou mesmo uma genial Helena Almeida. Não preciso de um mestrado de estética para o dizer.

      O que não creio ser saudável é chamar “arte contemporânea” a toda a “arte” que se faz actualmente, como tantas vezes acontece. Caso contrário, um Kayne West era mesmo um Vivaldi. E não é.

      Já agora; deu conta do site onde está? Percebe que a ideia é mostrar o que acontece ao dinheiro “cultural” em Portugal com uma pontinha de sátira? Para textos longos sobre o VERDADEIRO significado do que é ou não arte, com muita masturbação gramatical à mistura, creio que um Semanário Sol é um lugar muito melhor para isso.

      Reply
  • Fevereiro 19, 2016 at 7:37 pm
    Permalink

    Eu digo-lhe que hoje em dia basta um artigo, uma peça, um trabalho para fazer ou desfazer um carreira, se ele for reflexo de quem o faz então sim, é suficiente, eu estou a julgar sim o artigo e o autor sem de facto o conhecimento deste, tal como ele julga algo que não conhece. É realmente injusto não é??

    E respondo-lhe com todo o prazer.

    Pode sim senhor achar o que quiser, somos um país livre. A questão é, você pode achar que uma tipo vestida não sei de quê não é arte, no entanto, o que disse não tem qualquer fundamento sem ser a sua opinião. Esta querida como lhe chama pode lavar o dinheiro que quiser mas no artigo todo não é disse que fala, você fala no quão mau é o trabalho dela sem conhecimentos suficientes para tal, se souber do que fala quando diz que ela lava dinheiro à EDP fale disso, não do que não sabe. Como eu disse: “Qualquer pessoa pode dizer “eu não gosto visualmente”, mas não pode dizer “eu não gosto porque é mau” sem se informar, sem procurar uma opinião factualmente informada”.
    Ela recebe dinheiro para trabalhar e desenvolver o seu trabalho como artista, porque de facto ela é uma artista (o que não quer dizer que o faça da melhor maneira) mas o que é certo é que quando ela sai do país para expôr ela leva consigo a cultura portuguesa e o país! E não me diga que o croché de que fala não é típico português?

    Mais lhe digo, não vou nomear ninguém, o seu trabalho de “casa” é informar-se, é procurar saber como todos deviam porque também é o que eu faço!! Informe-se, digo-lho com toda a sinceridade, vale a pena. Realmente não ouve tanto acerca de outros artistas porque eles não provocam este confronto de ideias que a Joana Vasconcelos, nem têm tanto reconhecimento que lho permita. Uma Paula Rego e uma Helena Almeida, mais uma vez, têm trabalhos incomparáveis, tanto entre as duas como com a Joana. Mas se formos redutores, porque é que acha um “vómito” renda sobre cerâmica (Joana Vasconcelos) e a somente presença de uma linha sobre uma fotografia arte (Helena Almeida)?? Pode não conhecer o seu trabalho, como pode não recorrer ao seu espírito crítico, visto que Helena foi tão falada como Joana é agora no seu tempo mas ganhou o seu reconhecimento. Vocês diz que uma é melhor que outra porque é o que ouve, e não reflete acerca do que ouve! Para além de que não é para qualquer gosto o trabalho da Vasconcelos e também volto a frisar: TODA, TODA, TODA a arte necessita de contexto e NENHUMA, absolutamente NENHUMA obra pode ser analisada/avaliada esteticamente. Sobre isto leia o capítulo 2 do livro O que é a Arte? de Carmo D’Orey, é o suficiente. Nem um historiador nem um crítico de arte, por mais bem conceituado que seja, pode dizer que uma obra é má porque é feia e portanto você também não, nem ninguém! Não, não precisa de um mestrado de estética para o dizer, porque a arte não é arte pela estética! É um apelo visual mas também existe arte feia! Os padrões de estética não se aplicam! Eu acho brutal como rebaixa o trabalho da Paula Rego também e pergunto-lhe, sabe o porquê da rudeza das suas personagens? A essência que presenteia os espaços que ela representa? O que é que ele queria transmitir quando pinta uma Branca de Neve que é um Homem? Ela não é fraquinha! Ela é uma artista brutal. E você não sabe porquê porque só vê um homem feio vestido de Branca de Neve e tapa os ouvidos ao que ele lhe diz através da artista. E isso é tão triste.

    Quanto a chamar arte contemporânea a tudo o que se diz arte não é 100% verdade, mas isso também nos leva a um tema completamente diferente e o qual não me sinto qualificada a discutir. Mas também não é isso que diz no seu artigo, nem é por isso que a arte contemporânea não merece apoio do Estado. Toda a arte que se faça hoje em dia é arte contemporânea- é contemporânea aos nossos dias e a nós.

    Já agora; deu conta do site onde está? Percebe que a ideia é mostrar o que acontece ao dinheiro “cultural” em Portugal com uma pontinha de sátira? Para textos longos sobre o VERDADEIRO significado do que é ou não arte, com muita masturbação gramatical à mistura, creio que um Semanário Sol é um lugar muito melhor para isso.

    Sim, eu sei em que site estou, mas se a intenção é mostrar o que acontece ao dinheiro cultural no nosso país satiricamente façam-no bem. Como já disse, não concordo com essa divisão monetária, é absurdo, mas também é absurdo fazerem comentários estúpidos e mal fundamentados como fizeram. Podem ser irónicos e satiricos à vontade mas lembrem-se que as pessoas realmente metem na cabeça o que lêem sem filtros e sem uma ideia crítica das coisas. Dá para fazerem o vosso trabalho sem esta falta de gosto e escrúpulos. Eu disse e bem “Ia partilhar isto sem qualquer comentário até ler a descrição da foto que ilustra o artigo” porque realmente o artigo está bem escrito e realmente chamar de gorda que faz candeeiros com tampões à artista foi caricaturalmente bem conseguido, a intenção por detrás da descrição da foto é só de mau gosto.

    E a minha intenção não é dar sermões acerca do que é a arte, é avisar as pessoas quando (ainda por cima num site que prima a cultura) estão a passar por cima dela. Parecendo que não, comentários como “Afinal sempre há quem goste do que esta tipa faz… inacreditável! Acho que a descrição da última foto diz tudo!! E realmente magra é que ela não é!!” só demonstram o porquê do nosso país estar no estado em que está e se sites que as pessoas de facto lêem permitem isto então não é só o orçamento da Cultura que está muito muito mal formulado.

    Espero mesmo que vejam isto como uma crítica construtiva porque é importante o que disseram chegar às pessoas mas sem mais informação completamente absurda de arrasto.

    Quanto à “masturbação gramatical” vou levar como um elogio porque de facto de masturbação nunca vi nng tirar menos do que prazer. É pena as pessoas não se masturbarem mais gramaticalmente.

    Reply
    • Abril 8, 2016 at 12:38 am
      Permalink

      Bruna! Só agora vi o seu comentário! As minhas desculpas.

      Não somos muitos – apesar da minha esquizofrenia latente – sou mesmo UM homem zangado. E umas semanas depois, ao reler o meu texto, realmente considero que está fraquinho. É possível arrasar muito melhor quer a obra, quer a artista e até mesmo a pessoa que a Vasconcelos é. Mas como tenho de pagar à EDP e ao Fisco para que estes possam sustentar a Vasconcelos, nem todos os dias me corre excelentemente bem. A prática levará, certamente, à perfeição.

      Entretanto, já viu este vídeo? http://umhomemzangado.com/2016/04/joana-vasconcelos-dizimada-nas-redes-sociais/

      (não resisto só a um “aparte”: porque a obra da Helena Almeida é sentida e faz sentir. A desta é mero absurdo, insisto.)

      Reply
      • Abril 8, 2016 at 1:35 pm
        Permalink

        Eu não vou voltar a pronunciar-me acerca de nada relativo a isto, como diz é um homem zangado, o que não lhe deixa ver as coisas com claridade e um criticismo de valor. A Joana é uma figura pública, ela podia dizer que queria levar o gato para uma ilha em vez do iphone que ainda assim era criticada, é a única coisa que as pessoas sabem fazer nas redes sociais hoje em dia, por isso esse link também não é argumento nenhum. Deixo-lhe um conselho, de facto a prática leva à perfeição por isso zangue-se e só depois partilhe a sua opinião, quando tiver uma opinião clara e suportada por bons argumentos. Se a prática leava à perfeição estude e leia sobre os artistas atuais, leia, leia, leia, vá a exposições e depois da prática fale! Porque a obra da Joana também faz sentir. E eu já vi exposições das duas artistas e são completamente diferentes, mas ambas fazem sentir garanto-lhe. E se eu lhe perguntar se alguma vez foi a uma exposição da Joana (sem estar zangado!! 😉 ) e me responder que não então não tenho mesmo mais nada a dizer, porque só provará o meu ponto de vista.

        Reply
  • Abril 8, 2016 at 1:53 pm
    Permalink

    Olá bruna eu por acaso já fui, e digo-lhe já para quem é a artista mais famosa e mediática de Portugal, é bem fraquinha, e quando não é ela que produz as peças e sim outras pessoas, menos artista a considero. Eu como artista e com alguma “CULTURA” aconselho-a a pesquisar por artistas Portugueses como: Mário de Belém, add Fuel, Bordalo 2, Vhils entre outros que são um talento natural, e fazem as suas próprias obras e já bem reconhecidos no estrangeiro sem o dinheiro do estado ou outras entidades.

    Reply
    • Abril 8, 2016 at 6:31 pm
      Permalink

      Como lhe disse, não vou voltar a pronunciar-me acerca do seu artigo ou da sua opinião.

      Reply

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Share